Pastor abusava de meninas na Escola Bíblica Dominical






Um crime bárbaro foi descoberto no interior do estado do Espírito Santo. Um pastor abusava sexualmente de meninas entre 11 e 13 anos durante a Escola Bíblica Dominical.

Este crime hediondo acontecia no município de Boa Esperança, no interior do estado do Espírito Santo. Numa sala reservada da Igreja Cristã Renovação na Fé aconteceram por três meses os abusos sexuais a oito meninas entre 11 e 13 anos. O pastor William Nogueira Gimenez, de 56 anos, implementou um diferencial na Igreja. A Escola Bíblica Dominical seria ministrada no período posterior ao culto. Enquanto os pais participariam de uma vivência num sítio, seus filhos seriam divididos em dois grupos: um de meninos e outro de meninas.

Os pais teriam a missão de preparar um almoço coletivo para os moradores de rua do município, todo domingo após o culto. Enquanto isso seus filhos estariam sendo ensaiados para uma apresentação teatral com temas cristãos para um número teatral durante este almoço. A ideia seria a conversão por meio da fraternidade e da arte. Até aí tudo parecia louvável. Só que um vídeo demonstrou a natureza destes ensaios. No vídeo gravado clandestinamente por uma das meninas, o pastor pede para que todas as jovens vistam o figurino das personagens, mas a troca de roupa precisa ser feita na frente dele. Ele simulando estar ajudando na troca de roupa tocava as pré-adolescentes em regiões íntimas. Em um trecho do vídeo o pastor é flagrado alisando os pelos íntimos de uma menina de 13 anos e dizendo: “Seus cabelos são ruivos em cima e em baixo. Que lindo isso”.

Segundo uma das pré-adolescentes entrevistas pela FOLHA, o pastor pedia pra tudo ficar em segredo. O argumento era que “no teatro as pessoas precisam saber que o que acontece no camarim, morre no camarim. Que entre diretor e atores e atrizes precisa haver intimidade e confiança. Trair a confiança do pastor, seria como trair a confiança em Cristo”. A jovem que gravou o vídeo afirmou que já terá visto o pastor “mamando no peito de uma menina dizendo que estava ensaiando ela pra um papel de mãe que iria encenar”. Ela ainda revelou que “comecei a achar estranho no dia em que ele pediu para que eu tocasse o órgão genital dele. Não fiz isso e ele brigou comigo e não deixou eu me apresentar no teatro daquele domingo. Daí decidi gravar o vídeo e denunciar”.

Como a polícia não deu flagrante, o pastor William responderá em liberdade pelo crime de abuso sexual a menores. Caso seja condenado pode pegar até 6 anos de reclusão. Os fiéis da igreja afirmam que tudo se trata de uma alucinação da jovem estimulada pelos pais que são petistas. Apesar do vídeo ser bem explicito, uma comissão formada por 68 fiéis da Igreja Cristã Renovação na Fé está fazendo a defesa do pastor durante os cultos.

Fonte: http://afolhabrasil