Josué Teixeira cobra mais de R$ 300 mil e advogado descarta tentativa de acordo





Como já era previsto, o não pagamento do Remo a Josué Teixeira terminou em mais uma ação trabalhista contra o clube. A ação foi protocolada na 16ª Vara Trabalhista do TRT (Tribunal Regional do Trabalho) da 8ª Região, presidida pelo Juiz Raimundo Itamar, com o valor total de R$ 304.039,99. A primeira audiência está marcada para o dia 17 de agosto.

A reportagem conversou com o advogado de Teixeira, David Merabet, que detalhou a pedida do então comandante remista. 'O contrato dele com o Remo foi iniciado dia 8 de dezembro de 2016 e seguiria até o dia 31 de outubro, com salário de R$ 30 mil, mas, na carteira de trabalho, só foi assinado R$ 10 mil. Queremos o pagamento dos atrasados de abril, maio e junho e assinatura no valor correto do salário. Além disso, ele precisa receber as verbas rescisórias, como o aviso prévio, o FGTS, as férias, o 13º salário, o dano moral por toda a exposição do Josué Teixeira a nível nacional e a multa 477, que é referente a R$ 30 mil por ele não ter recebido indenização ao ser demitido'.

É comum o abatimento do valor pedido inicialmente nos processos para pagamento após acordos, mas, de acordo com o advogado, houve uma ordem para que não houvesse acordo com o Remo. 'O Josué não quer brir mão de nada. Ele passou por uma exposição muito grande aqui e todos viram. Ele e nós entendemos que o valor deverá ser pago integralmente', reforçou Merabet.

Além do caso de Josué Teixeira, a 16ª Vara Trabalhista do TRT também deverá receber, ainda nesta terça-feira (25), os processos do volante Marquinhos e do auxiliar técnico Márcio Roberto Damasceno contra o Leão.

Josué Teixeira foi treinador que comandou o início do projeto que terminou com vice-campeonato paraense e eliminações precoces na Copa Verde e na Copa do Brasil. Já na Série C, o técnico foi demitido quando o time ocupava o quarto lugar na competição. Ao todo, foram 24 jogos, sendo 11 vitórias, oito empates e cinco derrotas.

Por: Redação Portal ORM