Mais 2 assassinatos: matança não dá trégua na cidade de Castanhal






E a matança não dá trégua na cidade de Castanhal, região do nordeste paraense. Na segunda-feira (24), mais dois homicídios foram registrados na “Cidade Modelo”. O primeiro crime aconteceu bem no início da manhã, por volta das 6h30min, na invasão “Olho D’água”, área do conjunto Rouxinol, no bairro Jaderlândia, área de periferia.

A vítima foi identificada como Edimar Wellington Gomes da Cruz, de 29 anos. Edimar caminhava pela rua Coletora quando foi executado com vários tiros pelo corpo, a maioria na cabeça e costas. Na cena do crime, 5 capsulas de pistola calibre 380 foram encontradas e recolhidas por peritos do Instituto Médico Legal (IML). O corpo também foi removido ao IML, para passar por exame de necropsia e depois ser liberado aos familiares para velório e sepultamento. O subtenente Junior e o cabo Tibério, da Polícia Militar, estiveram no local, mas os moradores da área não souberam ou não quiseram comentar sobre como teria acontecido o crime. A motivação e autoria do crime ainda são desconhecidas.

A mãe da vítima, a dona de casa Maria do Socorro Gomes da Cruz, disse que, há 8 meses, seu filho estava morando sozinho em uma residência no conjunto Rouxinol. “Antes, meu filho morava no município de Augusto Correa, onde já foi preso por tráfico de drogas. Atualmente, ele estava como foragido da justiça”, disse Maria do Socorro. A polícia não descarta nenhuma hipótese do que possa ter motivado a morte de Edimar Wellington, mas a principal linha de investigação é a de dividas não pagas em decorrência ao tráfico de drogas.

ENCONTRADO MORTO EM MATAGAL

Já na tarde de ontem, por volta das 14h30min, um corpo do sexo masculino foi encontrado em uma área de matagal, às proximidades do extinto Parque do Ibirapuera, no bairro Estrela, em Castanhal. O corpo foi identificado por familiares como sendo de Jhones Clelson Monteiro da Silva, 25 anos. O rapaz, que não possuía passagens pela polícia e que era evangélico, estava desaparecido desde o início da noite de sábado último, quando saiu de sua residência dizendo que iria à igreja. No corpo, peritos encontraram diversas perfurações provocadas por facadas. Jhones Clelson foi encontrado morto de cueca e camisa. Uma chave de uma motocicleta foi encontrada na cena do crime e recolhida para ser periciada. O caso será investigado pela Polícia Civil.

Por Tiago Silva (Diário do Pará)