Polícia Civil prende acusados de usar documentos falsos para tentar fazer empréstimos em Breves





A Polícia Civil prendeu em flagrante, nesta sexta-feira, 14, os professores Edilson Maia Cordovil e Edilei Serrão de Oliveira, em Breves, na ilha do Marajó, acusados de falsificar documentos públicos para realizar empréstimos consignados. A prisão foi realizada no momento em que os acusados tentavam fazer o saque de R$ 46 mil em uma agência bancária da Caixa no município. A prisão foi efetuada pela equipe policial da Superintendência da Região do Marajó Ocidental.

O delegado Carlos Olavo Meschede, que esteve à frente da diligência policial, explica que os professores foram flagrados após denúncia realizada pelo gerente geral da agência sobre os contracheques dos acusados e uma Declaração de Margem Consignável com suspeitas de serem falsos apresentados pelos acusados, dias atrás, na tentativa de obter empréstimos consignados - quantias em dinheiro pagas pelo banco a partir de descontos em contracheque.

Dessa forma, explica o delegado, a Polícia Civil passou a monitorar os acusados durante alguns dias. Até que, na última sexta-feira, 14, os professores foram até a agência para fazer o saque do valor do empréstimo. No momento em que estavam na agência, os dois foram abordados pelos policiais civis. Em interrogatório, os professores confirmaram que os documentos eram falsos. 

Um dos professores chegou a apresentar documentos falsos para que conseguisse fazer o empréstimo consignado de R$ 46 mil, apesar de não ter margem consignável em seu salário para isso. As prisões contaram com apoio do delegado Paulo Junqueira, titular da Delegacia de Portel, que realizou investigações nesse município, onde os professores trabalhavam.