Sumiço do corpo do bebê: funcionários do Hospital das Clínicas serão interrogados


Sumiço do corpo do bebê: funcionários do Hospital das Clínicas serão interrogados (Foto: Agência Pará)


Representantes da Fundação Hospital das Clínicas Gaspar Vianna apresentaram na manhã desta quarta-feira (19) esclarecimentos sobre quais as providências que deverão ser tomadas sobre o impactante caso do corpo de um bebê desaparecido de dentro do hospital. 

O caso ocorreu na última segunda-feira (17), após um bebê que estava internado há 23 dias no hospital falecer. A família da criança foi informada sobre o óbito na manhã daquele dia mas, ao chegar durante a tarde no local, foi informada que o corpo havia desaparecido. 

O desaparecimento do bebê chocou a população da cidade e revoltou os familares da criança, que publicaram uma reclamação nas redes sociais.

Segundo a delegada adjunta geral, Cristiane Pereira, que esteve presente na coletiva realizada hoje, os funcionários que estavam de plantão no dia do desaparecimento serão interrogados para prestar esclarecimentos. De acordo com Cristiane, o que mais atrapalha na investigação “é que o local não possui câmeras”, dificultando a identificação dos envolvidos.

Investigação

Apesar de na coletiva de imprensa de imprensa ter sido divulgado que o caso seria investigado pela Divisão de Atendimento ao Adolescente (DATA), a Polícia Civil informou que o caso foi encaminhado para a Seccional da Pedreira, onde o delegado Walter Rezende será o responsável.


As perícias que também deveriam ter sido realizadas hoje, conforme informou na coletiva a delegada Cristiane Pereira, não aconteceram, já que o delegado Walter Rezende preferiu primeiro solicitar algumas documentações para o hospital, como laudos médicos e prontuários, além da documentação administrativa dos funcionários que estavam no hospital, para posteriormente tomar as providências cabíveis. O inquérito tem o prazo de até 30 dias, podendo ser prorrogado por mais 30 dias.  

Na última terça-feira (18), o hospital divulgou uma nota classificando o caso como "fato lamentável e inaceitável", e afirmou que determinou a abertura de uma sindicância para apurar o desaparecimento. Segundo a nota, a psicóloga do hospital está acompanhando os familiares até o momento.

(DOL)