Polícia Civil cumpre mandados de prisão de acusados de estupros de jovens em Barcarena





Policiais civis da Delegacia Especializada no Atendimento à Mulher (DEAM), de Barcarena, nordeste do Estado, prenderam dois homens acusados de praticar estupros contra meninas na faixa de 10 a 14 anos, no município. As prisões resultaram de mandados de prisão preventiva decretados pela Justiça em decorrência de investigações realizadas pela Polícia Civil. Um dos presos é o servidor público do município, José Luiz Sousa da Silva, acusado de estuprar duas meninas de 10 e 12 anos. O outro é Jhonatans de Souza Nascimento, apontado como autor de violência sexual contra uma adolescente de 14 anos. 

As prisões foram realizadas nos últimos dias 8 e 9 em Barcarena. A delegada Priscilla Naiatte, titular da DEAM do município, explica que, no caso do servidor público José Luiz, as investigações foram iniciadas na quinta-feira da semana passada. O acusado é líder de um grupo de jovens na Igreja Matriz de Barcarena e é responsável pela catequese. Segundo a mãe de uma das vítimas, ele teria abusado das meninas dentro do próprio carro mais de uma vez. "Os abusos ocorriam sempre que ele apanhava as meninas para levá-las para a catequese", explica a policial civil. 

A mãe de uma das vítimas confirmou, durante as investigações, que ele costumava abusar das meninas no carro, aproveitando a proximidade com a família das crianças e o fato de ser líder do grupo de jovens. As vítimas passaram por exames periciais e outros atendimentos de saúde. Com base na provas coletadas, explica a delegada, foi representada na Justiça pela prisão do acusado. José Luiz, em depoimento, nega os crimes. Ele vai responder pelo crime de estupro de vulneráveis. 

OUTRO CASO Já o preso Jhonatans Nascimento foi preso, com base em mandado de prisão preventiva, acusado de ter estuprado uma vitima de 14 anos. Aos policiais, no inquérito, ela afirma que foi abordada pelo acusado em uma rua do município. Segundo ela, o acusado estava com uma arma de fogo. Em seguida, ele a teria amordaçado e colocado uma venda em seus olhos, para, em seguida, consumar a violência sexual.

Ainda, durante as investigações, a vítima revelou que vinha sendo ameaçada pelo acusado há cerca de dois anos, pois, segundo ela, Jhonatans sempre manifestou desejo de manter relações sexuais com a adolescente. O acusado nega os crimes. Ele vai responder pelo crime de estupro qualificado.