Polícia Civil resgata 36 galos da espécie índio Brasileiro que eram usados em rinhas de briga em Castanhal



Galo com lesões



Policiais civis da Divisão Especializada em Meio-Ambiente (DEMA), com apoio da Superintendência da Região Integrada do Guamá, desencadearam, nesta quinta-feira (07), a operação policial denominada “Sapucaí”, em Castanhal, nordeste paraense, para combater crimes ambientais relacionados à prática ilegal de rinha de galos.

Ao todo, durante a ação policial, 36 galos da espécie Índio Brasileiro foram resgatados de um local, onde eram mantidos em cativeiro com objetivo de serem utilizados nas rinhas. A operação policial foi deflagrada a partir da informação sobre a prática criminosa. 

Assim, policiais civis da DEMA foram enviados até Castanhal para apurar os fatos e deflagrar a operação Sapucaí, uma palavra que em Tupi-Guarani significa "rio do galo". 

Na ocasião da operação, os policiais localizaram, nos fundos de uma residência, situada no distrito de Apeú, em Castanhal, os animais trancados em jaulas e gaiolas. "Muitos deles apresentavam ferimentos e sinais de mutilação", detalha o delegado Luís Xavier, diretor da DEMA. 

No local, os policiais civis encontraram ainda botucas, serras e o próprio ringue usados nas rinhas onde ocorriam as lutas dos galos mediante apostas em dinheiro. O responsável pelo local foi autuado pelo crime ambiental de maus tratos aos animais, com base no artigo 32, da Lei 9.605/98 (Lei de Crimes Ambientais). Participaram da operação o Delegado Rayrton Carneiro, escrivão José Luís, e investigadores Monteiro, Edelvan, Frailan, Coelho, da DEMA, e os investigadores Jaime e Aricles da Superintendência da Polícia Civil de Castanhal.
Tecnologia do Blogger.